Sócios do BTG (BPAC11) criam o Instituto de Tecnologia e Liderança

[ad_1]

Com a missão de formar as futuras lideranças em tecnologia que irão ajudar a transformar o Brasil, André Esteves, Roberto Sallouti e sócios do BTG Pactual (BPAC11) unem forças para a geração do Instituto de Tecnologia e Liderança (Inteli), instituição privada e sem fins lucrativos, localizado em São Paulo, com a proposta de oferecer ensino de ponta no país.

Patrocinado por uma doação de R$ 200 milhões da família Esteves, e com escora institucional do BTG Pactual, o Inteli vai oferecer formação superior para estudantes na extensão de tecnologia, com ênfase em computação, negócios e liderança.

“O Inteli nasceu da premência que o país tem de se tornar mais relevante no desenvolvimento de tecnologia. Queremos formar futuros líderes, e para isso, vamos oferecer um ensino que vai além da computação, integrando ao currículo disciplinas porquê empreendedorismo, economia de mercado, estado de recta e sustentabilidade. Será a primeira faculdade de tecnologia baseada em projetos do Brasil”, afirma André Esteves.

Para Roberto Sallouti, a transformação do dedo e o desenvolvimento de lideranças são os principais desafios para o horizonte. “A missão do Inteli é justamente oferecer todas as ferramentas e o envolvente propício para a formação dessa geração de líderes, que tem sede de conhecimento, espírito empreendedor, com possante capacidade de adaptação e totalmente orientada para a solução de problemas reais. Ao nosso ver, são eles que vão ajudar a transformar o Brasil”, complementa Sallouti.

“Estamos trabalhando no projeto há quase dois anos. Tivemos um ‘click’ de que poderíamos deixar um legado para o Brasil, porquê existe nos Estados Unidos em Stanford ou no MIT [o Massachusetts Institute of Technology]. Uma faculdade de tecnologia que forme lideranças”, disse Sallouti, CEO do BTG Pactual, à Revista.

Turmas começam em 2022

Com as primeiras turmas previstas para fevereiro de 2022, o Inteli vai oferecer inicialmente quatro cursos de graduação presenciais: Engenharia da Computação, Engenharia de Software, Ciência da Computação e Sistemas de Informação.

Os cursos terão duração de quatro anos, divididos em 16 módulos.

Além de aulas com professores experts, em cada módulo os estudantes desenvolverão um projeto para atender as necessidades de um parceiro de mercado, seja de empresas privadas, startups ou ONGs. Para o primeiro ano estão previstas 250 vagas. A meta é ter milénio alunos matriculados até 2025.

Missão do Inteli

O Inteli tem a missão de desenvolver seus alunos em três conjuntos de competências: computação, aprofundando em lucidez sintético, ciência de dados, segurança cibernética; negócios, abordando áreas porquê finanças corporativas, lucidez de mercado, marketing do dedo, people analytics e sustentabilidade; e em aspectos comportamentais porquê informação, moral e resiliência.

O objetivo é que os alunos aprendam, desde a primeira semana de lição, a provocar impacto real na sociedade, orientados todo o tempo para buscar soluções para as ineficiências do mundo de forma prática.

Com foco em atrair os melhores talentos do Brasil, independente da exigência socioeconômica, o Instituto terá estudantes bolsistas e pagantes. O mais importante é que o estudante tenha paixão por transformar a sociedade, cume potencial e capacidade analítica e de pensar alternativas criativas para problemas. No horizonte, o Inteli prevê, ainda, a oferta de cursos de pós-graduação, ensino à intervalo, uma incubadora de startups e cursos livres.

Juízo do instituto criado pelo  BTG

Compõem o Juízo do Inteli: André Esteves e Lilian Esteves, empresária e filantropa, porquê patrocinadores; Roberto Sallouti porquê presidente do Recomendação, Arthur Lazarte, Co-fundador e CEO da Wildlife; Mark Maletz, membro sênior da Harvard Business School (HBS); Pedro Thompson, CEO da Fiscalização; Silvio Meira, PhD em Computação e co-fundador do Porto Do dedo em Recife; Ricardo Dias, co-fundador da Adventures Inc e antes VP de Marketing da Ambev; e Sofia Esteves, fundadora e Presidente do Recomendação do Grupo Cia de Talentos.

Completam o time, na diretoria executiva, Maíra Habimorad, anteriormente CEO da Cia de Talentos e Diretora Acadêmica e de Inovação do Ibmec, que será CEO do Inteli; Ana Garcia, co-fundadora da Brasa, porquê Head de Operações do Inteli; e Maurício Garcia, com mais de 30 anos de experiência porquê Executivo Acadêmico e de Inovação em grandes grupos educacionais, porquê Mentor Acadêmico. Toda equipe Inteli foi desenhada para gerar um time multidisciplinar com experiências diversas, peça fundamental para pensar um padrão acadêmico com visão de horizonte e desempenado com as expectativas do mercado.

Entre os próximos passos está a assinatura de entendimento para instalação do Campus em um espaço nivelado e arborizado de 9 milénio m² em São Paulo, e o levantamento de recursos para financiar as bolsas de estudos.


[ad_2]
Fonte